13.6.05

Um livro para todos e para ninguém


Filipe Pereirinha, Psicanálise & Arredores, Edições Universitárias Lusófonas, Maio de 2005

"Ao definir o inconsciente como um 'território estranho interno', Freud mostra-nos que entre o privado e o público, o interior e o exterior, a psicanálise e os seus arredores não há apenas uma simples oposição, mas igualmente uma estranha familiaridade. Bem cedo, com efeito, a invenção freudiana, extravasou para fora de muros, vindo interpelar e sendo interpelada pelo mundo. É uma eco dessa interpelação mútua o que aqui se joga".

Diz-se de um homem que ele deve fazer pelo menos três coisas na vida para sentir-se realizado: plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro.

Pronto. Já está. E agora?...

"

2 comentários:

disse...

«pelo menos» disseste tu muito bem; se fosse «só» seria outra história...

maria antonieta disse...

"a teu conselho arrisco uma sugestão: além das 3 coisas, a árvore, o livro e o filho que tal tornar-se atópico e VIVER?"