3.9.08

Inteligência e estupidez

Tive oportunidade de realizar, nestas férias, um velho desejo: visitar as famosas grutas de Altamira (Cantábria). Como todo o desejo realizado, também este me provocou aguma desilusão. Não devido à importância das grutas em si - pois essa é incontestável -, mas a um certo desfasamento que sempre existe entre a expectativa (isto é, a imaginação) e a realidade.

Aquela que alguns consideram a "Capela Sistina" da arte paleolítica fica situada num dos lugares mais bonitos de Espanha, em Santillana del Mar. Esta é conhecida, pelos espanhóis, como "a cidade das três mentiras", visto que não é santa (santi), nem plana (llana) nem tem mar. Apesar das mentiras, é indiscutivelmente verdade que este é um lugar encantador e inolvidável.

Foi percorrendo devagar as bonitas e tranquilas ruas desta cidade do Norte de Espanha que eu deparei, subitamente, com um Museu da Tortura, onde eram exibidos uma série de instrumentos de suplício usados pelos dignitários do Santo Ofício para, supostamente, combater os hereges.

Lado a lado, o que há de melhor e de pior no ser humano: a arte ao serviço da beleza (os famosos bisontes de Altamira) e a arte (de fabricar instrumentos) ao serviço do...gozo "inquisitorial".

Não se trata apenas de que a inteligência more ao lado da estupidez, mas - como denunciou Robert Musil - de que a estupidez pode assumir todos os trajes da inteligência. Com efeito, como diz o autor, se a estupidez não se confundisse com o talento, com a inteligência, se não tivesse as aparências do progresso, do génio, da esperança, ninguém desejaria ser estúpido e não existiria a estupidez (O Homem sem Qualidades e Da Estupidez).

6 comentários:

Carlos Pereirinha disse...

Eu diria que, no que ao humano diz respeito, nunca há verdadeiro progresso, ou, então, ele jamais é linear, mas antes sempre paradoxal. O poder do bem evolui a par do poder do mal. Por mais que aprendamos, nada nunca nos protegerá do futuro, isto é, de nós próprios.

Fernando Borges de Moraes disse...

Assisti ao "Império dos Sonhos" ontem e procurei seu artigo para um "diálogo" com minhas impressões. Tomei a liberdade de republicá-lo.
Grato.

Filipe Pereirinha disse...

Talvez haja lugar, apesar de tudo, para alguma diferença na repetição...

Terpsichore lusitana combatente disse...

Estou de acordo, mas chamo-lhe a atenção para um outro aspecto muito fora de moda:
Na questão da inquisição também existe muita trafulhice de História. Por exemplo grande parte de toda essa onde de tortura, vinha mais das antigas tradições e da população Gernância, por exemplo, do que da Igreja Católica. A forma como é feita propaganda da Inquisição, é isso mesmo, uma política protestã de cobrir aquilo que é indesejável nos seus passados, que querem fazer esquecer, e a destruição tanto das culturas meridionais como da Igreja Católica.

Bem sei que não me acredita, mas só lhe peço que guarde o que lhe digo.
Há-de ver. O histerismo em relação às bruxas vinha também dessas populações, mas a política de agora visa é esquecer isso, e fazer todo o mundo odiar a Igreja Católica através da Inquisição.

Terpsichore lusitana combatente disse...

Quanto ao resto, o que precisamos compreender é que Deus é o Bem em nós.
Lamento se isto soa a beata, que não sou, assim como também a Igreja me considerará ... herege, suponho eu. Tenho toda a espécie de teorias estranhas :)

Também imagino a desilusão das Grutas. Será que o deixaram ver as verdadeiras? Diz-se que aquelas que eles deixam ver não são as verdadeiras...)

Boa noite

Filipe Pereirinha disse...

Hoje como ontem, a verdade tem sempre algo de ficção...